Insights

O melhor sobre Gestão de Pessoas, People Analytics e Experiência do Colaborador.

Gestão de crise e o papel do RH: entenda como funciona!

O novo coronavírus mudou a rotina das empresas, com a instalação do home office e outras medidas. Veja como o RH deve atuar para colaborar com a gestão de crise neste artigo que preparamos para você!


A gestão de crise e o papel do RH se tornaram evidentes com a pandemia causada pelo novo coronavírus, que obrigou as empresas a mandarem seus colaboradores para casa. Repentinamente, estruturas de home office tiveram de ser montadas, assim como estratégias para suprir as demandas da organização e minimizar o impacto para pessoas e para o próprio negócio.

 

Nesse cenário, as empresas tiveram de rever seu planejamento estratégico e também se adaptar a uma rotina, chamada de “novo normal”, ainda sem data para acabar, já que as atividades tenderão a voltar ao que era antes somente depois da conclusão de uma vacina.

Ou seja, o mundo vive uma crise sem precedentes, e as empresas precisam se manter no mercado. Para isso, torna-se essencial conduzir as pessoas de forma cada vez mais eficiente.

 

Quer saber como funciona a gestão de crise e o papel do RH? Então continue a leitura!

 

O que é gestão de crise?

 

A gestão de crise busca criar estratégias para prever e amenizar possíveis impactos à organização. Geralmente, os trabalhos são conduzidos pelo setor de Comunicação, em parceria com o departamento Jurídico da empresa, e envolve todas as áreas da companhia, incluindo o RH.

 

Encabeçada pelas lideranças, a gestão de crise avalia possíveis riscos à corporação, de diversas naturezas. Essas possibilidades são avaliadas, o que inclui risco à imagem, danos à marca, comunicação falha, estrutura organizacional, riscos financeiros, clima organizacional, dentre outros.

 

Avaliando esses cenários, a gestão de crise, em si, consta do desenvolvimento de manuais de conduta, que preveem situações que podem ser instauradas envolvendo a companhia, por isso, consideram questões como:

  • as prioridades empresariais;
  • os procedimentos que deverão ser adotados;
  • o tempo de resposta das questões apresentadas;
  • a antecipação de situações comprometedoras;
  • as medidas de preservação de imagem;
  • o tempo de resposta com o público;
  • os responsáveis pelas ações de cunho emergencial;
  • as formas de investir e aplicar os recursos;
  • as maneiras de fortalecer a cultura organizacional.

 

Diante do exposto, fica mais fácil entender que a gestão de crise faz a organização das atividades empresarias, de forma a estruturar estratégias, em um roteiro, de como agir em situações da maneira mais segura e eficiente possível, a fim de se preservar os recursos da empresa, o que também inclui as pessoas.

 

Qual é o papel do RH na gestão de crise?

 

Diante do novo cenário desencadeado pelo novo coronavírus, também conhecido como Covid-19, a gestão de crise deve entrar em ação, a fim de minimizar os impactos na empresa, tanto para os públicos internos quanto para os externos.

 

Nesse sentido, o RH ganha destaque na gestão de crise, à medida que ele é um dos principais responsáveis pelo bem-estar das pessoas na companhia, e tem o dever de zelar pelas medidas de segurança, e também controle das ações que possam impactar a saúde dos trabalhadores.

 

Separamos para você um passo a passo de como é possível agir para vencer essa fase e ajudar no andamento das atividades da empresa. Confira!

 

Transmitir mensagens de confiança e segurança aos colaboradores

 

Em cenários altamente incertos, como o que estamos vivendo, a sensação de incerteza e insegurança fica cada vez mais intensa.

 

Nesse contexto, a companhia deve se posicionar para transmitir mensagens que acalmem os colaboradores, revelando a eles as ações que tem investido para garantir a segurança de todos os públicos de relacionamento, e quais medidas estão sendo tomadas para assegurar o funcionamento da empresa.

 

Logo, o papel do RH deve ser o de criar estratégias para fortalecer esse posicionamento, transmitindo confiança a todos os funcionários. Esse também é o momento de esclarecer algumas dúvidas que possam surgir, como:

  • a empresa conseguirá passar pela crise?
  • o que é esperado de cada colaborador neste momento?
  • o salário será mantido?
  • em caso de corte de despesas, quais serão os critérios, entre outras questões.

 

Assim, é preciso manter um diálogo coerente e transparente, de forma a estabelecer uma comunicação eficaz e também honesta com os colaboradores.

 

Mas, atenção! Uma mensagem honesta não significa comunicar, de qualquer maneira um cenário ruim, já que isso pode deixar os funcionários alarmados, o que pode acarretar um desequilíbrio, colocando em risco toda a organização.

 

Nesse sentido, é necessário atuar com compromisso com os valores da empresa, assumindo a responsabilidade dos atos para informar aos funcionários sobre a real situação da companhia.

 

Assumir uma postura humanizada

 

A crise desencadeada pela Covid-19 gerou uma instabilidade econômica sem precedentes no Brasil e no mundo, o que exige que as companhias façam adaptações, como a redução de pessoal, sendo de responsabilidade do setor de Recursos Humanos a difícil tarefa de conduzir o processo.

 

Logo, o setor deve assumir uma postura humanizada, explicar todos os direitos legais que o colaborador tem, apresentar de maneira clara e honesta as razões dessa decisão, além de posicionar a organização e oferecer todo suporte necessário.

 

Fazer afastamento pela doença

 

É de responsabilidade do RH da empresa monitorar a saúde dos colaboradores, com o setor de Medicina do Trabalho, identificando os casos em que for confirmada a contaminação pela doença. Nessa situação, é preciso proceder o afastamento do funcionário, para que ele possa permanecer em isolamento e receber os cuidados necessários.

 

Realizar recrutamento e seleção on-line

 

Contar com softwares de recrutamento e seleção é fundamental nesse momento, pois eles permitem fazer desde a divulgação da vaga até testes e entrevistas, tudo por meio da ferramenta e sem contato físico.

 

No caso de contratação, também é possível fazer o envio dos documentos pela própria plataforma. Logo, com o recrutamento e seleção on-line, a empresa ganha mais agilidade, mantém o calendário das contratações, otimiza a mão de obra dos recrutadores e ainda economiza com estrutura como aluguel de salas, recepcionistas, luz e outras despesas.

 

Fortalecer a cultura organizacional

 

O isolamento social e o trabalho home office podem gerar grandes impactos para as pessoas, o que também pode comprometer a cultura organizacional da companhia.

 

Nesse cenário, diante de tantas inseguranças e incertezas, a cultura precisa ser reforçada para manter a o time produtivo, ao mesmo tempo em que o bem-estar dos colaboradores deve ser considerado, mesmo fora das dependências da empresa.

 

Para isso, o envio e recebimento de feedbacks constantes é necessário. Ações como a comemoração de conquistas, envio de felicitações personalizadas, criação de um material gráfico que reforce os valores da marca, entre outras ações, são bem-vindas e podem colaborar positivamente com os resultados.

 

Trabalhar na implementação do home office

 

O home office foi instaurado de um dia para outro na maioria das empresas, sem muito planejamento, já que no começo da pandemia não era possível prever ao certo como seriam as circunstâncias nos meses seguintes.

 

Independentemente do momento da sua empresa na implantação do home office, é importante cuidar da qualidade do trabalho remoto. Para isso, é importante avaliar se:

  • as pessoas têm acesso à internet;
  • o ambiente do trabalhador tem a ergonomia correta para o trabalho;
  • a empresa pode ceder equipamentos, como notebooks, impressoras e telefones;
  • a companhia pode arcar com os gastos de luz e internet, entre outras questões.

 

Assim, na gestão de crise é papel do RH fazer o mapeamento dos obstáculos e desenvolver as ações para agir diante de possíveis dificuldades. Também é função do RH conciliar os interesses da empresa com o das pessoas, a fim de garantir a eficiência da operação da companhia, com os mínimos impactos.

 

Gostou das dicas e quer continuar aprendendo? Assine nossa newsletter e receba as nossas publicações em seu e-mail.