Engajamento: entenda o conceito e importância para seu negócio

Ter como foco o engajamento da equipe significa valorizar o capital humano em prol de resultados cada vez melhores para o seu negócio. Confira dicas práticas de como ter uma equipe engajada!


Falar sobre engajamento sempre foi relevante para a área de Recursos Humanos. Porém, diante das mudanças em tempos de pandemia, esse é um dos temas mais desafiadores dentro das empresas atualmente.


Para entendermos este novo contexto, é imprescindível abordarmos aspectos básicos, como: o que significa engajamento? O que define uma equipe engajada e quais são os resultados disso dentro de uma organização? O quanto é possível mensurar isso no dia a dia? 


Com as mudanças no mercado e no regime de trabalho, algumas questões entraram neste escopo. Por exemplo: o distanciamento social pode interferir no engajamento? Como entender o impacto disso no trabalho remoto?


Reunimos todas as respostas em um artigo super completo sobre o tema para o seu time de RH ficar expert no assunto. Selecionamos dicas valiosas distribuídas ao longo do texto para que você consiga exercer seu papel com excelência na empresa. Boa leitura!


engajamento

O que é engajamento?


Vamos começar com um alinhamento sobre o que é engajamento. Precisamos estar todas e todos na mesma página daqui para frente. 


Não confunda “engajar” com “motivar”.  A motivação é pontual; uma pessoa motivada não necessariamente está engajada com a empresa, e vice-versa. A motivação pode ser o efeito de um bônus, de uma mudança de função, de um projeto novo ou de qualquer novidade no cenário profissional. 


Quando falamos em engajamento, vamos além. O termo é de origem francesa, engagier, que quer dizer “sob compromisso”, “dar em garantia”.  Estamos nos referindo ao envolvimento do colaborador ou da colaboradora com a organização. Esse envolvimento abrange aspectos de satisfação, identificação e comprometimento.


A Pulses entende que o engajamento é um fenômeno mutável e dinâmico, que contempla aspectos cognitivos, emocionais e físicos, empregados de maneira alinhada aos propósitos organizacionais e pessoais, proporcionando um envolvimento ativo, dedicado e persistente no desempenho dos papéis, com senso de eficácia, confiança e realização


Assim, é um ponto que merece total atenção. Sabe por quê? 


Uma pesquisa da Gallup indica que apenas 13% dos colaboradores estão altamente envolvidos no trabalho. É um percentual baixo quando tomamos conhecimento dos ganhos que o engajamento pode trazer: aumento de 10% na retenção de clientes, de 20% na lucratividade e de 17% na produtividade; redução de 24% em turnover e de 41% nas faltas.


Então, aqui vai a primeira dica deste artigo! Incentive conversas sobre engajamento entre líderes e suas equipes


Falar abertamente sobre aspectos que impactam esse sentimento - como características da função e do ambiente de trabalho, estilo de liderança, cultura organizacional, clima do time - é sempre uma forma de manter a proximidade nas relações interpessoais no âmbito profissional e de conhecer as expectativas de quem está na ponta das operações. 


Continue esta leitura para descobrir como orientar melhor este diálogo.


O que significa ter uma equipe engajada?


Respondendo de forma simples e direta, ter uma equipe engajada significa contar com pessoas pró-ativas, felizes, alinhadas aos propósitos da empresa,  colaborando com novas ideias e gerando resultados. Para chegar a essa conquista, olhe para dentro da empresa.


É natural a preocupação de qualquer negócio com a percepção do cliente em relação a uma marca. Queremos manter uma boa impressão, ser referência no serviço ou produto oferecido. Mas, qual é a visão do seu cliente interno? A forma como os talentos da sua organização enxergam a empresa pode dizer muito sobre engajamento (e interferir na imagem dela lá fora)


Manter uma equipe verdadeiramente envolvida com o seu negócio também vai refletir em como ele é visto no mercado


Avalie se as pessoas da sua equipe, hoje, diriam:


  • Mesmo com uma proposta melhor de trabalho, eu não pediria demissão;

  • Tenho orgulho de fazer parte dessa empresa;

  • A empresa inspira o melhor de mim todos os dias;

  • Estou contente com a minha liderança;

  • Recomendo a empresa para parentes e amigos. 


Com uma equipe engajada, pensamentos como esses se tornam espontâneos. Assim, chegamos a mais uma dica: cative os colaboradores!  


Inclua e desenvolva o employer branding na rotina de trabalho. É necessário apostar no marketing para o seu público interno. Reforce a forma de pensar da empresa, exerça e incentive o reconhecimento no dia a dia e promova ações de nutrição da identidade da marca. Compartilhar a história, trabalhar a missão e os valores da organização são ações que geram senso de pertencimento, essencial para o engajamento da equipe.  


Manter rituais corporativos - falar sobre resultados, compartilhar os objetivos, abrir o planejamento das áreas da empresa - também é uma prática efetiva. 


Outra ideia são encontros virtuais focados em estimular o relacionamento interpessoal e a aproximação entre pessoas de diferentes áreas. Que tal substituir aquele happy hour presencial por um encontro remoto do time? Pode não ser a mesma coisa, mas é preciso ter criatividade para se reinventar neste momento. 


No entanto, de nada adianta iniciar ações isoladas, sem nenhuma relação com o estilo e a cultura organizacional da empresa. Planejar o employer branding exige esse cuidado.


Pessoas que se reconhecem nos valores da organização levarão essa mensagem adiante espontaneamente.  A comunicação positiva tem grandes chances de chegar aos clientes e aos talentos do mercado de trabalho que ainda não fazem parte da equipe. 


Atualmente, a comunicação clara e frequente é mais importante do que nunca. Com o novo modelo híbrido ou em casos de trabalho remoto, a confiança é uma aposta essencial para estruturar o engajamento interno. De acordo com um estudo da Gartner, empresas com altos níveis de confiança aumentam o engajamento médio dos funcionários em 76%, comparadas àquelas com índices baixos nesse quesito. 


Portanto, estabelecer uma relação transparente entre líderes e funcionários pode trazer excelentes ganhos neste momento!

Quais fatores impactam o engajamento corporativo?


A confiança é apenas uma parte dentro do universo que compõe os pré-requisitos de uma equipe engajada. Existem metodologias elaboradas a partir das condições que impactam nesse sentimento, indicados por estudos de especialistas em comportamento humano, data science & analytics e experience designers da Pulses.


As análises agruparam em 12 dimensões fatores apontados pela literatura como influenciadores do engajamento. São aspectos que interferem no nível de satisfação dos colaboradores na rotina de trabalho, definidos por:


  1. Alinhamento com a empresa: conhecimento e afinidade da equipe sobre valores, missão, visão e história da corporação;

  2. Bem-estar: equilíbrio dos componentes mentais, físicos e emocionais, como estresse, hábitos alimentares, disposição física, equilíbrio entre vida pessoal e profissional e práticas de prevenção a doenças;

  3. Carreira: crescimento profissional com oportunidades internas, nível de comprometimento, gerenciamento da carreira e sintonia entre objetivos pessoais e organizacionais;

  4. Desenvolvimento profissional: autonomia do colaborador para desempenhar suas atividades e percepção a respeito das possibilidades de desenvolvimento ou aprimoramento dentro da empresa;

  5. Embaixadorismo: imagem da empresa para os profissionais que nela trabalham e senso de pertencimento a ponto de “vestir a camisa”;

  6. Estrutura: equipamentos, condições do ambiente de trabalho, políticas e práticas da organização;

  7. Feedback e reconhecimento: frequência e qualidade de informações recebidas sobre as entregas do dia a dia, além da autoavaliação do colaborador;

  8. Felicidade: o quanto a pessoa se sente realizada profissionalmente e qual é o seu estado emocional fora do ambiente da empresa (visão de futuro, autoestima e relacionamento com a família);

  9. Inovação: abertura da organização e da liderança para sugestão e implementação de novas ideias;

  10. Justiça: divisão de recursos disponíveis (ou a serem obtidos) e critérios de promoção e remuneração dos funcionários;

  11. Liderança: comunicação, confiança, apoio para evolução profissional e competência do líder para estar à frente do time;

  12. Relacionamento interpessoal: saudabilidade das relações entre pares, gestores, clientes e parceiros, considerando respeito à diversidade, espírito de equipe e maturidade.


São todos pontos de cuidado que abrangem capital humano, motivação, previsibilidade de turnover, qualidade de vida e segurança dos profissionais no trabalho. Ou seja, o engajamento está diretamente relacionado à sustentabilidade do negócio


E aí, você nos pergunta: o que fazer com essa lista? É o que vamos te contar na sequência com a dica prática mais valiosa deste artigo. 

A importância de medir o engajamento


Buscar tecnologias e aplicar pesquisas contínuas com base nas 12 dimensões que abordamos acima são a principal ferramenta para uma atuação estratégica e conjunta entre a área de Recursos Humanos e a camada de liderança da empresa. Essa é a dica valiosa que guardamos para te ajudar na missão de formar uma equipe engajada! 


As perguntas certas vão favorecer a autoestima dos profissionais, e as respostas - anônimas, para que haja participação franca - serão uma fonte rica de informações para entender as melhorias necessárias na organização.


São várias as razões para se medir o engajamento de colaboradores. Além de ser uma forma de avaliar a efetividade da atuação do RH e dos líderes, abrir um canal para ouvir as pessoas permite antecipação diante de possíveis problemas, fortalece a cultura colaborativa (a partir de ideias e insights vindas das equipes), promove a melhoria da performance dos times e a manutenção de um posicionamento competitivo  no mercado.


Com a dedicação da sua área de RH junto aos líderes, existem grandes chances de aumentar o eNPS (Employee Net Promoter Score, indicador que avalia a lealdade e a satisfação das pessoas com a organização). É o que referências como Apple e Amazon adotam para se manterem no ranking das melhores empresas para se trabalhar. 


Sim, nós sabemos. O caminho é longo, o conteúdo é extenso e queremos fechar o assunto com chave de ouro fazendo uma última indicação. O eBook “Construindo uma cultura de engajamento” vai ampliar seu olhar e apresentar novas possibilidades de atuação em direção à conquista de uma equipe engajada. Conte com a Pulses para isso!



engajamento