Home » Blog » Novo normal » Trabalho híbrido: como fica a cultura da sua empresa?
Compartilhe

Trabalho híbrido: como fica a cultura da sua empresa?

Por Michelly Dellecave 9 min leitura

Saiba como a implantação do trabalho híbrido afeta a cultura organizacional da sua empresa 

O cenário de pandemia acelerou processos e gerou dúvidas sobre como manter comportamentos e relações corporativas com o trabalho à distância. Neste cenário, o trabalho híbrido é um dos modelos que, ao que tudo indica, veio para ficar.

Depois da digitalização e do sucesso da experiência de se exercer remotamente muitas funções, o assunto tem sido comum entre profissionais e gestores.

A COVID-19 trouxe algumas necessidades que exigiram rápida adaptação nas relações profissionais. O distanciamento social, as medidas de prevenção contra o vírus e o gargalo da economia foram fatores que contribuíram para isso. 

A possibilidade de trabalhar à distância revelou pontos positivos e negativos. Principalmente em grandes cidades, as pessoas puderam economizar tempo e recursos com deslocamentos, por exemplo. O uso de mais recursos tecnológicos também agilizou processos internos. 

Por outro lado, muitos colaboradores afirmam trabalhar mais horas quando estão em casa e o convívio social menos frequente é outra questão que provoca discussões. 

Não há certo e errado, e não se sabe se as mudanças no mundo dos negócios vieram para ficar. O fato é que as expectativas das equipes de trabalho demonstram que sim.

Um levantamento publicado pela Robert Half diz que 86% dos brasileiros têm vontade de trabalhar remotamente com mais frequência do que antes da pandemia. Quais são, então, os desafios e exigências dessa nova configuração para o ambiente de trabalho?

Eis o assunto deste artigo!

Montagem mostra pessoas trabalhando em locais diferentes em referência ao trabalho híbrido

O que é e como funciona o trabalho híbrido

A definição de trabalho híbrido é: um modelo em que se pratica a alternância entre jornada presencial ou remota. Ocorre quando a equipe pode escolher entre uma opção e outra, ou ainda misturar os dois tipos de jornada.

É comum a referência a essa iniciativa como flexibilização de jornada

Para que esse tipo de proposta dê certo, a comunicação interna é um fator primordial. É preciso encontrar formas de manter as pessoas em contato, com fluidez. Só assim é possível assegurar que a distância não seja um obstáculo para as entregas.

Por isso, a comunicação organizacional no futuro do trabalho é encarada hoje com tantas interrogações. Esse é o tema do People First #5, podcast da Pulses. Ouça abaixo:
A confiança e o comprometimento são valores exigidos nessas circunstâncias! Por que esses detalhes são tão importantes? É o que vamos entender no tópico seguinte. 

Características de um novo mercado de trabalho

Um dos aspectos de maior destaque da transição em curso nas relações profissionais é a atuação a partir de diferentes lugares. Algumas vezes, com horários diversos também. 

A comparação proposta pela Gartner evidencia a transição de um modelo que antes constituía sua base em um ambiente corporativo para repassar o foco, agora, ao indivíduo. O objetivo é prover:

  • igualdade de oportunidades;
  • inovação como princípio, e não como acaso;
  • gestão baseada em empatia e resultados.

Com as novas perspectivas, especialistas têm percebido que a fluência da gestão tem mais a ver com a criação de condições do que com o formato de trabalho. Não é o fato de se conviver em um mesmo local que oportuniza espontaneamente os fatores citados acima. 

Porém, quando não se cumprem requisitos básicos para motivar e envolver os colaboradores, sobressai-se o lado negativo. Sem preparo, a falta de convívio presencial pode dificultar a interação entre as pessoas.

O time de RH deve estar pronto para desenvolver a liderança. Os gestores têm grande influência no engajamento dos times, com adoção de estratégias como:

  • definição de um cronograma prévio de atividades e reuniões, com horários, tempo de duração e pautas a serem abordadas;
  • alinhamento das entregas;
  • abordagem de temas como segurança e confiança entre os funcionários;
  • organização de canais  de comunicação corporativa para centralizar informações;
  • aquisição de tecnologias de trabalho virtual.

Abrimos, aqui, um parênteses com uma dica importante: preste atenção nas trocas entre áreas

A maior carência com o trabalho remoto tem sido a integração entre os times. Por isso, estimular as lideranças a trabalhar ações nesse sentido tem muito a agregar nesse aspecto!

Vantagens da flexibilização do regime de trabalho

Um dos pontos mais favoráveis trazidos pelo trabalho híbrido, segundo a Gartner, é a diversidade das equipes. Além de favorecer a formação de times com diferentes perfis de profissionais, as pessoas têm se sentido mais confortáveis para exercerem seus trabalhos. 

51% das mulheres entrevistadas constatam mais segurança estando em home office. Na visão geral, 81% dos trabalhadores afirmam se sentirem mais respeitados em modelos híbridos

A pesquisa conclui que a nova forma de trabalhar predispõe melhores condições para fortalecer a inclusão e a igualdade entre as pessoas. 

Vale citar mais alguns benefícios, como:

  • favorecimento do equilíbrio entre vida pessoal e profissional (ainda que algumas pessoas dizem estar trabalhando mais horas do que antes);
  • otimização do tempo com adequações a novas tecnologias, processos mais rápidos e dispensa de deslocamento das pessoas;
  • Aumento da produtividade do time. 

O trabalho híbrido é o futuro das organizações?

Uma das dúvidas mais frequentes entre os líderes diz respeito à manutenção da cultura organizacional

Porém, algumas informações revelam a privação de muitos mitos diante de uma realidade que tem se revelado promissora. 

Os números de uma pesquisa da Gartner apontam, por exemplo, que a produtividade dos colaboradores aumenta em 63% quando em condições de trabalho totalmente flexíveis. Outro índice que surpreende é o impacto da cultura sobre os funcionários. 

Para 32% dos entrevistados, a cultura do ambiente corporativo não exercia nenhuma influência no dia a dia com convívio presencial, contra 21% que declararam o mesmo no caso do trabalho remoto. 

Para 66% das pessoas, a cultura tem impacto positivo quando se trabalha à distância, frente a 52% no modelo tradicional.

Se essa é a impressão dos colaboradores, o que a gestão deve fazer para aproveitar esse potencial? Dê uma olhada no tópico abaixo. 

Cultura organizacional: a real situação de um novo cenário

Fala-se muito em uma nova forma de se pensar a cultura. Será que o caminho é mesmo esse? Talvez, o melhor a se fazer é o mesmo de sempre: conhecer a fundo o negócio e apostar no propósito. 

Especialistas em talentos ouvidos pela McKinsey reforçaram esse diferencial. A pandemia trouxe espaço para questionamentos sobre o significado do trabalho. O autor Bill Schaninger fala sobre isso.

As pessoas estão mais conscientes sobre o tempo. Bill explica que cada momento de trabalho normalmente corresponde a renunciar ao convívio em família, por exemplo. Hoje, muitos profissionais se questionam sobre a relação do emprego com o propósito de vida. 

Ao se estabelecer essa identificação e se alcançar o equilíbrio entre vida pessoal e profissional, os resultados são níveis altos de:

  • retenção;
  • satisfação;
  • motivação;
  • produtividade;
  • engajamento.

Gestão de pessoas em novos modelos de trabalho

Empresas que mantiveram bons níveis de crescimento durante a pandemia se dedicaram a implantar inovação e soluções alternativas a sistemas e processos

Segundo Bill Schaninger, compartilhar conhecimento, transparência de desempenho e manter a disciplina foram atitudes fundamentais. O êxito da gestão de pessoas diante de cenários de grandes mudanças como esse depende de ações que:

  • estimulem a criatividade;
  • instiguem o empreendedorismo dos colaboradores na realização do trabalho;
  • façam com que o colaborador deseje se envolver com as demandas. 

Renato Navas, Co-founder e Head of People Success da Pulses, também aborda referências sobre práticas de gestão em novos contextos. O especialista cita cinco pilares imprescindíveis nessa frente:

  • Previsibilidade;
  • Visibilidade;
  • Conexão e vínculo;
  • Saúde e bem-estar;
  • Senso de pertencimento.

São tópicos que, juntos, asseguram a saúde integral. O conceito abrange a produtividade unida à assistência necessária para o bem-estar dos funcionários. É o que garante a sustentabilidade à gestão, independente do modelo de trabalho (presencial ou não) posto em prática.

Para saber mais sobre o assunto, assista abaixo ao Webinar “Saúde Integral e Qualidade de Vida dos Colaboradores” que conta com a participação de Michelly Dellecave, Co-founder e Head of Education & Brand na Pulses:

3 passos para fortalecer a cultura em jornadas de trabalho remoto

É preciso ter em mente um detalhe essencial: se a cultura organizacional da sua empresa não tem base consistente, o trabalho híbrido não trará nenhum impacto. 

O que queremos te dizer com isso é que tudo começa muito antes de qualquer novo direcionamento sobre o regime de trabalho da equipe. Confira agora os três passos para obter êxito nessa missão!

1 – Certifique-se sobre a força da cultura na corporação

Imagine um termômetro. Os padrões comportamentais e a opinião coletiva são as medidas para entender o grau de intensidade da cultura organizacional no dia a dia. Esse termômetro deve ser usado sempre, em modelos remotos ou presenciais. 

Pesquisar constantemente o clima da corporação é um indicativo com muito a dizer sobre isso! Em casos de detecção de baixos níveis, mergulhe no diagnóstico e se dedique a um planejamento estratégico.

2 – Prepare os gestores e pratique a inclusão

Uma vez detectada a forte prática da cultura na empresa, não há o que temer. O trabalho remoto será apenas uma questão de adaptação!

Conte com o time de líderes como principal ponto de apoio. Juntos, estabeleçam definições que facilitem a organização desse novo regime. É preciso definir ferramentas, ritos, regras para evitar diferenciações e impressões negativas por parte dos colaboradores.

A sugestão da Pulses nesse caso é intensificar feedbacks, abordar a transparência nas relações profissionais e trabalhar o conceito de produtividade à distância.

3 – Pergunte a opinião das pessoas sobre a nova rotina

Monitore! Questione as equipes e entenda quais são as impressões e contribuições de cada um sobre a situação. O sentimento dos funcionários terá muito a contribuir para melhorias ou manutenção dos modelos adotados

Temos algumas dicas que podem ajudar!

Três cartões mostrando dicas sobre o trabalho híbrido

Vença os desafios dos novos modelos de trabalho

O que podemos esperar do futuro com tantas transformações no mundo corporativo? Para seguirmos nessa discussão e nos aprofundarmos ainda mais no assunto, temos um convite a fazer.

A Pulses, em parceria com a Crescimentum — consultoria especializada em transformação comportamental e liderança —, produziu um eBook imperdível com todos os detalhes sobre trabalho remoto e híbrido.

Baixe o conteúdo agora mesmo! Saiba mais sobre como fortalecer e manter a cultura à distância e faça a diferença na sua gestão.

Capa de livro sobre trabalho híbrido mostra colaborador sentado em frente ao computador

Michelly Dellecave Cofounder, Head of Education & Brand da Pulses. Psicóloga, Mestre em Psicologia, pós-graduada em Gestão Estratégica de Pessoas e especialista em Leitura e Manejo de Grupos. Experiência na área de Recursos Humanos e Professora de cursos de graduação e pós-graduação. linkedin.com/in/michelly-dellecave/
O que você achou ?
Curti
Divertido
Adorei
Surpreso
Chateado

Obrigado pelo seu feedback!

Através dele conseguiremos melhorar cada vez mais a sua experiência.

Quer receber mais conteúdos incríveis?

Cadastre-se e receba semanalmente nossos conteúdos por e-mail!