Home » Blog » Segurança psicológica » Síndrome de Boreout: entenda o que é e como o RH pode ajudar
Compartilhe

Síndrome de Boreout: entenda o que é e como o RH pode ajudar

Por 9 min leitura

Entenda o que é a síndrome do tédio no trabalho, saiba como identificar e veja dicas do que fazer para ajudar os colaboradores

A Síndrome de Burnout é um dos principais problemas de saúde mental que assola o mundo corporativo, mas uma nova doença passou a alertar gestores de empresas: a Síndrome de Boreout ou Síndrome do Tédio.

De nome similar, mas gerada por motivos diferentes e menos conhecida, o Boreout pode ocasionar sérios problemas à saúde da pessoa colaboradora. Além disso, o clima organizacional tende a se desfavorecer e a produtividade a cair. 

O desgaste pode causar alta rotatividade de profissionais e impactos negativos em employee experience (experiência do funcionário) e employer branding (marca empregadora). 

Mulher de braços abertos e folhas voando ao seu redor, em sinal de segurança psicológica

Todas e todos nós queremos evitar isso, não é mesmo? Então, siga com a Pulses até o final deste artigo! Aprenda sobre a Síndrome Boreout e fique por dentro de como o RH pode agir para prevenir esse tipo de desequilíbrio emocional nas equipes.

O que é Síndrome de Boreout

O nome do transtorno faz referência ao termo “bored”, em inglês, cuja tradução em português quer dizer “entediado”. É por isso que o distúrbio também é conhecido como síndrome do tédio ou do aborrecimento

Vale dizer que o tédio corresponde à sensação de enfado, comum a qualquer pessoa, como um estado emocional passageiro. A complicação que caracteriza o Boreout se configura quando esse tédio se torna crônico

Ao observarem isso, dois autores suíços trouxeram notoriedade ao assunto, ao publicarem o livro Boreout! Overcoming Workplace Demotivation: Peter Wender (consultor de negócios e co-fundador da agência Gruetzi) e Philippe Rothlin (jornalista e também consultor de negócios)

Eles indicam que a Síndrome de Boreout é um desequilíbrio psicológico ligado a:

  • falta de estímulo;
  • tédio;
  • desconexão com o propósito do trabalho.

No decorrer dos próximos tópicos, vamos conferir tudo isso em detalhes! 

 O que diferencia a Boreout da Burnout

Antes de aprofundarmos nosso conhecimento em Boreout, precisamos entender as particularidades desse transtorno. 

Burnout e Boreout são semelhantes no nome, além de levarem a problemas sérios de saúde e de terem sintomas muito similares. A diferença entre uma e outra, portanto, está nas causas. 

Síndrome de Burnout

De forma rápida, a Síndrome de Burnout é um quadro que se desenvolve quando a pessoa é exposta a cargas excessivas de trabalho e condições de muita pressão.

Síndrome de Boreout

O Boreout, por sua vez, é a consequência da desvalorização de um colaborador. Ou seja, ela se manifesta quando a pessoa está extremamente desanimada e não vê significado em sua função

Quais as causas da Síndrome de Boreout

O distúrbio de Boreout é resultado de diversos cenários relacionados à organização. Eles podem acontecer em conjunto ou isolados, persistindo por longos períodos, até o esgotamento do profissional. 

Confira alguns exemplos abaixo:

  • A pessoa realiza as mesmas atividades há muito tempo e não sente que está desenvolvendo novas habilidades e competências.
  • A descrição do cargo está em desacordo com as funções exercidas no dia a dia.
  • A pessoa assume menos responsabilidades do que poderia ter.
  • Líderes com pouco ou nenhum preparo com uma gestão ineficiente do time e delegação falha das tarefas.
  • Crises no clima organizacional e ambiente de trabalho tóxico, desfavorecendo o papel de determinados cargos na empresa.
  • Recorrente falta de abertura da empresa para proposição de novas ideias por parte dos colaboradores. 
  • Desconexão entre as atividades desempenhadas nas rotinas de trabalho e a qualificação do profissional. 
  • Realização de demandas monótonas e repetitivas.

Podemos concluir que a causa raiz pode estar em diversas frentes do negócio. Os casos citados acima estão ligados:

  • à estrutura e ao desenho organizacional, no caso da distribuição e descrição dos cargos;
  • a ocasionais deficiências em gestão, começando pelo desenvolvimento das lideranças e passando pelo relacionamento entre gestores e liderados;
  • a processos seletivos que precisam ser revistos para melhor colocação dos profissionais nas atividades;
  • às adversidades no clima organizacional, aumentando a desmotivação e prejudicando o engajamento da equipe.

Todas essas são prováveis causas da ocorrência de Síndrome de Boreout. 

Aproveite para ouvir o podcast da Pulses e entenda a diferença entre clima, cultura, engajamento e motivação! 

https://open.spotify.com/episode/39AiXbtqShfNDLGtcSdBtd?go=1&sp_cid=6d91b4e462aa90438b2330ae5478c0b2&utm_source=embed_player_p&utm_medium=desktop&nd=1]

Quais os sintomas da Boreout

O melhor, claro, é tomar todas as medidas que estejam ao alcance na empresa para que a síndrome do tédio não afete nenhuma pessoa colaboradora. A prevenção é o caminho mais indicado.

Porém, nem sempre isso é praticável, e existem comportamentos que ajudam a identificar esses casos, e observá-los é fundamental para ajudar no diagnóstico.

Desinteresse

Atente-se a profissionais que entregam o mínimo exigido e que não demonstram vontade de aprender coisas novas. A total indiferença ao realizar ou solicitar demandas é um dos sintomas de quem possivelmente está passando pela síndrome.

Mau humor constante

É comum que não estejamos sempre de bom humor, mas quando alguém se mostra aborrecido por um período extenso é preciso se preocupar! Afinal, um dos nomes da síndrome é justamente síndrome do aborrecimento, você se lembra?

Duas pessoas conversando sobre segurança psicológica e balões de diálogo saindo das suas cabeças.

Insônia

Se um funcionário vem relatando problemas com o sono, esse pode ser um alerta. Assim como outras síndromes, o distúrbio causado pelo tédio crônico acarreta insônia e, consequentemente, demonstrações de cansaço e exaustão no horário de trabalho. 

Angústia

Quando uma pessoa se sente angustiada, pode manifestar reflexos como baixa auto-estima, falta de perspectivas e insegurança.

Como essa síndrome pode afetar a saúde dos colaboradores

A Síndrome de Boreout compromete o bem-estar no trabalho. Isso não só prejudica o profissional em si, como pode influenciar toda a equipe assim que colegas perceberem a situação. 

O agravamento dos sintomas de uma pessoa com esse tipo de desequilíbrio emocional gera:

Lista com as consequências da síndrome de boreout e ícones de reações ao lado de cada uma delas

O estresse, por exemplo, expõe o indivíduo a complicações cardíacas, como risco de derrame ou doença isquêmica do coração por causa da liberação de hormônios que agridem o sistema cardiovascular. 

Como vemos, é uma questão séria que pode dar início a quadros clínicos ainda mais complexos. 

Por outro lado, se as causas não forem identificadas por pesquisas contínuas de clima organizacional e engajamento junto a análises inteligentes sobre dados obtidos por elas, corre-se o risco de que mais profissionais possam desenvolver o transtorno, também

 Quais as consequências para a empresa?

As interferências nas relações interpessoais, a queda na produtividade e os efeitos negativos no clima organizacional da corporação podem levar os balanços da empresa a níveis críticos. Para que isso não aconteça, é preciso agir rápido e ajudar a equipe a se recuperar. 

Podemos listar as seguintes consequências: 

  • enfraquecimento da employer branding;
  • dificuldade de retenção de talentos;
  • elevação do turnover;
  • prejuízos para o employee experience;
  • declínio dos resultados.

E mais: o estudo da Microsoft Índice de Tendências de Trabalho de 2022, feito com 31 mil pessoas em 31 países, revelou que a pandemia reorganizou as prioridades dos trabalhadores. 53% das pessoas disseram que, para elas, a saúde e o bem-estar vêm antes do emprego

Talvez essa seja a explicação para que esse tenha sido o principal entre os motivos alegados por pessoas que pediram demissão entre 2020 e 2021, conforme também indica o levantamento. 

 Como o RH pode agir em casos de Síndrome de Boreout

Diante de tudo o que vimos até aqui, será que a sua gestão está sabendo lidar com esse e outros temas sobre saúde mental?

Em uma pesquisa da Opinion Box, realizada em 2022, 70% das pessoas entrevistadas afirmaram que as empresas não adotam medidas eficientes para lidar com a saúde mental dos funcionários

61% delas concordam que já tiveram a saúde mental prejudicada por estresse no trabalho. 

Esses dados nos levam a duas conclusões:

Dados referente a síndrome de boreout ilustrados por pessoas se cumprimentando e analisando dados

São fatores associados diretamente à experiência do colaborador. Então, eleger elementos que colaborem para a qualidade de employee experience da sua empresa a partir da escuta ativa das pessoas é sempre a melhor alternativa!

Invista em ferramentas de gestão

Incrementar a gestão de pessoas com alguns recursos é uma ótima solução para traçar planos de ação e tomar iniciativas que atendam os objetivos da empresa e as necessidades dos colaboradores

Falamos muito sobre o quanto o papel de um profissional exerce influência na forma como a pessoa encara a rotina corporativa. Abordamos ainda o quanto é importante ter funções bem definidas, e como as relações entre líderes e liderados têm relação com a saúde mental. 

Frente a isso, o design thinking aplicado a Recursos Humanos pode ajudar a investigar oportunidades e aprofundar o conhecimento sobre o que pode não estar dando certo na sua empresa.

Conheça mais sobre o assunto e descubra como prevenir e investigar causas de problemas com a equipe.

Uma pessoa sentada na frente de um computador conversando com outra pessoa que está em pé na sua frente.
O que você achou ?
Curti
Divertido
Adorei
Surpreso
Chateado

Obrigado pelo seu feedback!

Através dele conseguiremos melhorar cada vez mais a sua experiência.

Quer receber mais conteúdos incríveis?

Cadastre-se e receba semanalmente nossos conteúdos por e-mail!